Não se trata de “falar por elas”, mas permitir que elas soltem a voz!

Não se trata de “falar por elas”, mas permitir que elas soltem a voz!

Muitas vezes somos desafiados a abrir a boca em favor dos que não têm voz na sociedade. Mas, na verdade, todos têm voz! O problema é que muitos foram emudecidos na sociedade. Então, precisamos criar oportunidades para que os que foram emudecidos voltem a falar, soltem a sua voz! É isso que fizemos com os nossos parceiros no Rio de Janeiro (Lifewords, Projeto AMAR e Casa Semente) agora no período das Paralimpíadas. Veja o relato da Adriane Maia, Coordenadora do Projeto Casa Semente…

 

O dia estava ensolarado, o Rio de Janeiro em plena Paralimpíadas celebrava a vida e a inclusão de pessoas com deficiência física, ótima oportunidade para ocuparmos os espaços públicos e, através de uma participação interativa e pessoal, conscientizar a população local e turistas sobre a necessidade de proteção de nossas crianças e adolescentes!

Assim foi o dia 10/10/16. Logo às 9h da manhã tínhamos reunidos 80 adolescentes das comunidades de Jardim Gramacho da Casa Semente e do Projeto Amar do Morro dos Macacos.  Durante a manhã, após um café da manhã de aproximação, iniciamos o treinamento com os adolescentes. O objetivo foi de refletirmos juntos sobre o que são bons tratos e maus tratos à criança e adolescentes. Através de vídeos,  música,  arte circense, pintura e muita conversa, os próprios adolescentes pontuaram quais  práticas consideram boas  e quais consideram ruins às crianças e onde elas ocorrem. Após esse tempo de reflexão,  iniciamos a segunda fase da oficina onde os adolescentes foram treinados para realizar a “vacinação” das pessoas contra os maus tratos nas ruas do Rio. A dinâmica foi facilitada pela Luciana Falcão, coordenadora nacional da Lifewords Brasil.

Após o almoço partimos todos em direção ao novo point do Rio, o Boulevard Olímpico.  Estavam ali milhares de pessoas, uma ótima oportunidade de chegar e fazer a diferença! Os adolescentes protagonizaram uma linda campanha de conscientização de defesa de direitos das crianças; eles mesmos, tiveram voz e vez e fizeram bonito! Naquele espaço público abordaram centenas de pessoas com a alegria e descontração próprios da idade e deram seu recado.

Agradecemos a Missão Aliança por ter nos proporcionado um dia tão importante para construção de uma sociedade mais justa que defende os direitos das nossas crianças e adolescentes e confere a esses também o protagonismo que lhes é de direito.

Adriane Maia

Coordenadora, Projeto Casa Semente